domingo, 17 de julho de 2011

"Sou o assunto que conheço melhor." Frida Kahlo


Revista Marie Claire
Esse mês foi o aniversário de Frida Kahlo. 
Magdalena Carmen Frida Kahlo nasceu no dia 6 de julho de 1907, na casa dos pais em Coyoacán, um pueblo da periferia da Cidade do México. 
Frida se identificava tanto com a revolução mexicana que muitas vezes dizia ter nascido em 1910. Depois de 30 anos da ditadura do general Porfírio Díaz, Frida dizia que ela e o Novo México tinham nascido juntos. 
Desde muito cedo, aos dezesseis anos, Frida se identificava com o comunismo e aos 28 anos entrou para o partido comunista. Isso eu também gosto em Frida. Aliás, eu gosto de tudo em Frida. 
Ela é uma das minhas ícones favoritas do feminismo. Suas cores fortes, berrantes e de combinações consideradas exóticas estão espalhadas pelo México e é difícil saber onde não está Frida Kahlo. Suas roupas, sua exuberância, seus xales, suas joias. Tudo se mistura. Frida e México. O orgulho pelas raízes indígenas que ela expressava no modo de se vestir e nas cores que usava para pintar.
A vida de Frida, como já se sabe, foi marcada pelo sofrimento e pela dor, mas o que mais impressiona é a sua capacidade de superação. A poliomielite, o grave acidente que trouxe a dor física que a perseguiu até os últimos dias de sua vida, não a impediram de ser a pintora mexicana famosa, a mulher exuberante, forte. "E a sensação nunca mais me deixou, de que meu corpo carrega em si todas as chagas do mundo."
Frida viveu e amou intensamente. E produziu. Expressou dor e sofrimento em sua obra. A coluna quebrada, o surrealismo - que ela contestava - o coração sangrando (As Duas Fridas), um cervo perfurado por flechas, são partes do mundo das pinturas de Frida Kahlo: "Pensaram que eu era surrealista, mas nunca fui. Nunca pintei sonhos. Só pintei a minha própria realidade."

Frida e Diego
                                           
Sua relação com Diego Rivera é considerada por muitas pessoas como conturbada e polêmica. Eles se amaram e se machucaram talvez com a mesma intensidade. Os códigos que regiam a relação Frida-Diego só a eles pertenciam. Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é. Ambos tinham temperamento forte. Ambos tinham amantes. Incontáveis relacionamentos extraconjugais. Ambos sofreram, cada um a sua maneira. "Diego está na minha urina, na minha boca, no meu coração, na minha loucura, no meu sono, nas paisagens, na comida, no metal, na doença, na imaginação."  Diego Rivera escreveu em sua auto-biografia que o dia da morte de Frida foi o mais trágico de sua vida. 
                                       
Duas Fridas - 1939 (Acervo Pessoal)

"Origem das Duas FridasRecordação. Devia ter 6 anos quando vivi intensamente a amizade imaginária com uma menina de minha idade. (...) Não me lembro de sua imagem, nem de sua cor. Porém sei que era alegre e ria muito. Sem sons. Era ágil e dançava como se não tivesse nenhum peso. Eu a seguia em todos os seus movimentos e contava para ela, enquanto ela dançava, meus problemas secretos. Quais? Não me lembro. Porém ela sabia, por minha voz, de todas as minhas coisas...''  (Diario de Frida sobre a tela Duas Fridas).

Frida é uma mulher que viveu à frente do seu tempo em muitos aspectos. Era uma mulher sexualmente liberada, moderna e assumidamente bissexual. Suas pinturas revelavam "imagens da intimidade mais secreta das mulheres: imagens de nascimento e aborto, órgãos internos à vista, entranhas do corpo feminino tornadas objeto de arte elevada. Kahlo se definia como "la gran ocultadora" e, de fato, seus auto-retratos exibem as feições de 'máscara' no perfil estático e altivo, resultado de exercício técnico de autocontrole que erigiu uma imagem infensa aos sentimentos, bem o contrário daquelas que proliferam no diário íntimo."

Frida escreveu pela última vez em seu diário: "Espero a partida com alegria... e espero nunca mais voltar... Frida."

Acervo pessoal - Biografia e Diario de Frida Kahlo





4 comentários:

  1. Gosto demais de Frida Khalo, seu trabalho, sua intensidade, sua força. Uma pessoa admirável. Um post admirável.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Uma artista única! Uma arte e uma dor esplendorosa! Pesquisando mais sobre Frida encontrei seu post! Parabéns!

    ResponderExcluir